sexta-feira, 27 de setembro de 2013

Ata de Assembleia Geral Extraordinária




Ata de Assembleia Geral Extraordinária

Aos vinte e seis dias do mês de Setembro do ano de dois mil e treze às dezenove horas em primeira chamada com maioria absoluta e às dezenove horas e trinta minutos em segunda chamada com qualquer numero de filados, na Rua Bélgica, 8221, jardim Igapó, Londrina, Paraná, para deliberarem a cerca da seguinte ordem do dia: (I) Realizar nova associação de filados conforme a nova norma da prefeitura; (II) Alteração do quadro da Diretoria;  (III) Votação de substituto do Diretor Tesoureiro; (IV) Deliberar sobre a contratação efetiva de assessoria jurídica e Discutir e aprovar propostas de ações efetivas que visem à busca a execução de direitos liquido e certo da categoria bem como, garantir a integridade física dos agentes guardas municipais de Londrina. Fernando Ferreira das Neves abre a sessão solicitando ao Ricardo Alexandre Brun que secretariasse a ata, redigindo a mesma, onde o mesmo colocou a disposição, passando à ordem do dia pelo Fernando Ferreira das Neves:
            Alteração do quadro da diretoria: foi informado que a atual tesoureira GM Cinthia não deseja mais permanecer no quadro de diretoria, solicitando sua retirada do cargo atual de tesoureira, com isso foi colocado à disposição o cargo informado.  O foi votado e confirmado pela maioria que a GM Ana Paula foi votada e eleita para estar assumindo o cargo de tesoureira, onde a mesma aceitou o cargo.
            Contratação de assessoria jurídica: Foi sugerida a contratação de assessoria jurídica, colocando também que fosse efetuada a sugestão de alguma assessoria jurídica.
            Foi feita a explanação referente ao aquartelamento, e a informação é que como sugestão do advogado sobre o assunto é que não fosse efetuado o aquartelamento sem que seja feito de forma jurídica, ou seja, a sugestão é que fosse efetuado por medida judicial, com isso haveria um embasamento jurídico, não expondo os guardas municipais à problemas que possam ser geradas por medidas não judiciais.
            Foi informado referente ao valor de uma ação jurídica, que a ação coletiva pode ser feita tendo um custo aproximado de R$3.000,00, conforme informação do advogado Dr. Carlos, sendo que existe outra oportunidade de que talvez o sindicato Sindiserv poderia entrar com a ação informada, contudo o Sindiserv não garantiu a informação que efetuará tal procedimento.
            Foi sugerido rifas para que fosse levantado o valor necessário para impetrar a referente ação.
Foi sugerido também o rateio entre todos os guardas, onde desta forma fiaria mais viável para todos, contudo deverá haver o consentimento de todos referente ao rateio informado.
Foi sugerido também uma rifa de algum produto ao qual fosse utilizado pelo guarda municipal, onde poderia estar estipulando o valor que na soma total atingisse o valor necessário para impetrar tal ação.
            Foi sugerido pelo Fernando Ferreira das Neves, a ação de danos morais contra o vereador Padre Roque, no que se refere ao que foi verbalizado pelo vereador Padre Roque em sessão da câmara de vereadores, onde foi feito explanação contra os guardas municipais pelo vereador acima informado.
            Foi sugerido para que fosse criado uma assessoria de comunicação, onde pudesse ser efetuado um melhor contato junto à mídia, onde desta forma fosse mudado a imagem da guarda municipal, que no momento encontrasse de certa forma negativa, e também sendo colocado de forma do direto de resposta muitos dos fatos ocorridos e alguns comentários onde expõe de forma negativa a instituição.
            Foi feito a votação e aprovado pela maioria que ocorrerá uma arrecadação no valor de R$20,00, sendo de forma única, e será efetuado rifas para alavancar o valor necessário para a finalidade de ações futuras judiciais.
Foi votado sobre impetrar uma ação contra o vereador Padre Roque, e 100% dos presentes na reunião votaram a FAVOR, para impetrar uma ação de danos morais contra o vereador Padre Roque.

Encerramos com a votação sobre entrar ou não com medida judicial para garantir o direito líquido e certo da categoria bem como, garantir a integridade física dos agentes da guarda municipal de Londrina, sendo votado a FAVOR pela maioria que será impetrar a medida judicial.



Presidente da AGML
Fernando Ferreira das Neves