sábado, 7 de setembro de 2013

Guardas municipais pedem saída de secretário de Segurança em Maceió
Servidores são contra a terceirização da categoria.
Eles também pedem a saída do secretário de Segurança Comunitária.


Guardas municipais querem a saída do secretário coronel Edmilson. (Foto: Natália Souza/G1)

Cerca de 100 servidores da Guarda Municipal de Maceió fizeram um protesto, no início da tarde desta quinta-feira (5), em frente à sede da prefeitura, localizada na Rua Almeida Guimarães, no bairro da Pajuçara. Eles são contra a proposta de terceirização da categoria pelo município e exigem a realização de concurso público, além da saída do secretário da Guarda Municipal, o coronel José Edmilson Cavalcante.
Com faixas, carro de som e camisas com frases contra o secretário da Guarda Municipal, os servidores pediam para que o prefeito Rui Palmeira dialogasse com a categoria e apresentasse uma solução para o impasse formado diante das reivindicações.
De acordo com o presidente da Associação dos Inspetores e Subinspetores, Alexandre Magno, o secretário é inoperante. "Em uma reunião no mês passado, o coronel Edmilson disse que iria fundamentar a inviabilidade da Guarda Municipal. Ao invés de ele resolver os problemas da categoria, quer terceirizá-la. Um absurdo", afirmou.
"Nossa principal reivindicação é a saída do secretário, pois temos inspetores do quadro  competentes para comandar a Guarda, não precisamos de um militar fazendo isso", destacou.
Os guardas também se queixam da falta de fardamento e do fim de grupamentos que davam apoio a moradores de ruas da cidade. "Extinguiram os grupamentos, hoje só cuidamos dos abrigos. Não somos respeitados ou reconhecidos, porque não temos farda, ficamos a paisana", completou Magno.
O presidente do Sindicato dos Servidores Municipais, Sidney Lopes, afirmou que é fundamental a realização do concurso público. "São cerca de 800 guardas, mas precisaríamos de 2 mil somente em Maceió. Além disso, somos a favor do armamento da guarda, em outras capitais isso já acontece.
Após negociação, os servidores aceitaram desocupar a rua da prefeitura. Uma equipe do gabinete militra disse que vai recebê-los para uma reunião.